Aprender língua estrangeira é maior desafio

Aloizio Mercadante diz que estudantes precisam se adiantar no estudo de outros idiomas

BRASÍLIA - O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, recomendou hoje (4) aos estudantes que pretendem pleitear bolsas de estudo fora do país pelo programa Ciências sem Fronteiras (CsF) que se adiantem no estudo da língua estrangeira para facilitar o processo de ingresso nas instituições internacionais.
Segundo Mercadante, a dificuldade dos bolsistas para aprender outra língua, principalmente o inglês, tem sido o “maior desafio” da execução do programa. O CsF já concedeu 14,6 mil bolsas, sendo que desse total 3,7 mil alunos já estão estudando fora do país, e o restante deve viajar a partir de agosto.
“As dificuldades operacionais são muito pequenas e absolutamente marginais. O maior desafio é a proficiência em inglês”, disse Mercadante. O estudante selecionado para o programa precisa apresentar uma pontuação mínima no Test of English as a Foreing Language (Toefl), prova internacional que certifica o nível de proficiência em inglês.
De acordo com o ministro, o estudante selecionado para o programa pode ficar por seis meses no país estudando a língua antes do início do curso, mas se não obtiver a pontuação mínima não é aceito pela instituição estrangeira.
Mercadante disse que o Ministério da Educação (MEC) está mobilizando as universidades federais e outros órgãos, como embaixadas, para aumentar a oferta de cursos de inglês para universitários. A recomendação do ministro é que logo ao entrar no ensino superior o estudante inicie o estudo da língua estrangeira. “Quem está entrando este ano na universidade já vai estudando a língua estrangeira para que no próximo ano possa se candidatar e fazer o teste de proficiência. Não tem que ficar esperando, tem que tomar a iniciativa de se habilitar”.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/educacao/ciencia-sem-fronteiras-aprender-lingua-estrangeira-maior-desafio-4500893#ixzz29VgrkRHN

7 comentários:

Juan disse...

O que é o programa Ciência sem Fronteira (CsF)?

Ciência sem Fronteiras é um programa que busca promover a consolidação, expansão e internacionalização da ciência e tecnologia, da inovação e da competitividade brasileira por meio do intercâmbio e da mobilidade internacional. A iniciativa é fruto de esforço conjunto dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Ministério da Educação (MEC), por meio de suas respectivas instituições de fomento – CNPq e Capes –, e Secretarias de Ensino Superior e de Ensino Tecnológico do MEC.

O projeto prevê a utilização de até 101 mil bolsas em quatro anos para promover intercâmbio, de forma que alunos de graduação e pós-graduação façam estágio no exterior com a finalidade de manter contato com sistemas educacionais competitivos em relação à tecnologia e inovação. Além disso, busca atrair pesquisadores do exterior que queiram se fixar no Brasil ou estabelecer parcerias com os pesquisadores brasileiros nas áreas prioritárias definidas no Programa, bem como criar oportunidade para que pesquisadores de empresas recebam treinamento especializado no exterior.

Fonte: http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/o-programa Acesso em 17.10.2012

Marina Aparecida disse...

Não adie a sua decisão e prepare-se para as oportunidades: inscreva-se hoje na IDIOMASTER!

Joaquim Octavio Oliveira disse...

O ser humano é imediatista. Costuma dizer para si mesmo: primeiro a oportunidade precisa aparecer, aí sim eu vou gastar tempo e dinheiro num curso de idiomas. Quando pinta a ocasião, o sujeito está despreparado e só lhe resta continuar a ver navios...

Nadir disse...

Há empresas que investem sem hesitar no aperfeiçoamento dos seus funcionários, pagando curso de idiomas para eles. O retorno é, na grande maioria dos casos, positivo. Não chega a ser 100%, por conta das pessoas que só se inscrevem porque é grátis para elas, nunca haviam cogitado estudar uma língua estrangeira antes e não dão o devido valor. Isso é jogar a oportunidade no lixo!

IDIOMASTER disse...

Mágica versus Lógica

Não existe nenhum método que seja mágico, todos são lógicos.

Para aprender um idioma é preciso que o aluno estude. Não se pode aprender por um ato de mágica, é necessário concentração, assimilação e muita prática.

O melhor material e o melhor professor não vão ajudar muito se o aluno não tiver vontade de aprender.

A eficácia do trabalho da IDIOMASTER está em mostrar o caminho real, dar ferramentas e aplaudir, alentar, puxar o aluno para que estude com afinco.

Desde 1996, estamos trabalhando com todo tipo de empresas: pequenas, grandes, nacionais, multinacionais, etc.

Por conta disso, temos uma visão clara da forma e do estímulo que precisa ter cada pessoa para aprender uma língua.

Nossos profissionais, além de ser professores do idioma, são grandes motivadores. Eles apresentam aos alunos as ferramentas necessárias para que eles possam lutar contra a preguiça, contra o desânimo, contra o desejo de dar um tempo.

Amanda Muller Garcia disse...

Há pessoas que realmente sentem dificuldades. Muitas vezes o primeiro contato desses alunos com a língua estrangeira não foi agradável e eles, sem perceber, criaram um trauma... Já imaginaram, num primeiro dia de aula, um professor falando o tempo inteiro num idioma desconhecido, sem nenhuma didática e sem fazer nenhum esforço para se fazer entender?

IDIOMASTER disse...

Falta um professor para abrir as portas. Somos especialistas nisso:
http://idiomaster.blogspot.com.br/2012/09/abrindo-portas.html

Recent Posts

http://www.add-digital.com.br/blog/como-usar-o-mp3-player-do-google-em-seu-site/ -Player do google para site

Wikipedia

Resultados da pesquisa